PASTORAL DA MORADIA

História da Pastoral da Moradia em Salto, SP

• Início de 1994: A Pastoral da Saúde da paróquia São Benedito socorreu uma família composta de mãe e 07 filhos, desnutridos, com casos de tuberculose e extrema pobreza. A Pastoral, com doações e atuações de voluntários, constrói uma pequena moradia para a família.

• Final de 1994: Antonio Tarciso Benvenutto e Célia Regina Mosca Bergantin, coordenadores da Pastoral da Saúde da paróquia São Benedito, juntamente com Eda Disnam e Maria de Lourdes Peres Martoni, decidem criar um núcleo para atendimento de necessidades de moradia, higiene e infra-estrutura domiciliar. Marli Bergantin assume a coordenação desse núcleo, embrião da Pastoral da Moradia.

• Mês de maio, Tempo Pascal de 1995: criada a Pastoral da Moradia oficialmente, passando a tomar atitudes para o desfavelamento da cidade, a reconstrução de moradias paupérrimas e outras formas de auxílio. Operando especialmente nas favelas do Jardim das Nações, Parque das Lavras, Jardim Maria José e Jardim Santo Antonio.

• 1997: A Pastoral da Moradia passa a atuar de maneira mais direta com o Poder Público Municipal, integrando o Conselho Habitacional do Município e participando da criação da Cooperativa Habitacional (hoje, Associação de Habitação Popular de Salto, como pessoa jurídica), criada para dar sustentação ao trabalho de arrecadação de materiais de construção doados pela população e para o mutirão de construção. A Prefeitura Municipal passou a ceder lotes no Jardim Cidade III, onde os favelados inscritos trabalharam em mutirão para a construção das casas.

• Mais de 70 casas já foram construídas ou reformadas graças a esse trabalho. Mas o projeto de desfavelamento ficou mais lento porque a Administração Municipal de 2001-2004 não designou Secretário para a Habitação e por carência de verbas não estava conseguido ampliar o atendimento.

• A Administração Municipal eleita em 2004 e re-eleita em 2008 ampliou a parceria com a Pastoral da Moradia e com a Associação Habitacional para que acontecesse o tão esperado desfavelamento. A Pastoral da Moradia também participou da parceria a Caixa Econômica Federal para a construção de 30 casas populares no Jardim Cidade III.

• Em 2008, por decisão do Conselho Presbiteral, a Pastoral da Moradia passou a ser uma pastoral da Região 08 de Pastoral (cidade de Salto), e não mais apenas como pastoral da paróquia São Benedito, atuando em parceria com a Cáritas Inter-paroquial de Salto e aumentando o atendimento às famílias carentes de todas as paróquias.

A Pastoral da Moradia tem sua sede na Rua Atibaia, 203, Jardim Marilia, onde mantém um bazar, que vende roupas, calçados, adornos, guardanapos, móveis e elétricos domésticos doados pela população. Também é feita doação desses materiais àqueles que não possuem meios de compra.

As visitas às casas são feitas na seguinte ordem: os interessados procuram atendimento ou reivindicação na sede da Pastoral junto à Marli Nadir B. Bergantin, onde preenchem um cadastro. Esse pedido é avaliado pelos engenheiros da equipe que, após análise técnica e de suporte financeiro, decidem sobre a ajuda. Os demais membros realizam as visitas pastorais, acompanhados pelo diácono, que têm como objetivo rezar com a família, abençoar a construção e a casa e verificar o andamento das obras.

Também realiza em datas especiais (Dia das Mães, época natalina) a Feira do Guardanapo, com venda de materiais doados por voluntárias. Esses bazares são realizados na loja Mil Coisas, Rua 9 de Julho, Centro.
São meios de subsistência para que a Pastoral possa atender as famílias que precisam de construção ou reforma de moradias, já que não recebe ajuda das paróquias de Salto e não realiza eventos para arrecadação. Recebe donativos de entidades privadas e doações pessoais. A Associação de Habitação Popular, entidade jurídica, não recebe os subsídios legais, aprovados em lei municipal, desde o segundo semestre de 2016, mas presta conta mensalmente das prestações recebidas dos que legalmente construíram suas casas em mutirão.

O atual coordenador é o Diácono José Carlos Pascoal.