ASSUNÇÃO DE MARIA


Padre José Luiz Nascibem

No dia 1 de novembro de 1950 o Papa Pio XII proclamou o dogma de fé que a “Imaculada Mãe de Deus, e sempre Virgem Maria, terminando sua vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à gloria celeste”. Tal festa celebra-se sempre no dia 15 de agosto. No Brasil a mesma é transferida para o domingo seguinte. Tal data porque, talvez, seja a consagração de uma Igreja chamada Dormição de Maria em Jerusalém.

Na missa deste dia vemos Maria como a verdadeira “arca da aliança” e a “mulher vestida de sol” a imagem da Igreja. Como a arca da aliança, construída por Moises, estava no templo como sinal da aliança de Deus com o povo Maria está no céu, em sua integridade, como sinal da nova aliança. A arca continha a lei como resposta aos apelos do povo, Maria nos apresenta Jesus Cristo com a nova lei, a lei do amor.

Maria transmite aos homens sua mensagem através do Magnificat. Proclama que Deus realizou uma tríplice inversão de falsas realizações humanas, para restaurar a humanidade. No campo religioso derruba a autossuficiência humana, confunde os soberbos que se erguem contra Deus e oprime aos irmãos. No campo político destrói os desníveis humanos, abate os poderosos e eleva os humildes. No campo social Deus cumula de bens os famintos e despede os ricos de mãos vazias, para criar uma verdadeira fraternidade entre todos os povos, porque todos são filhos de Deus.

A solenidade da Assunção é celebrada em toda a Igreja e recebe muitos títulos. Em nossa diocese recebe o título de Nossa Senhora do Desterro. Também na diocese celebra-se no dia próprio. Nossa Senhora do Desterro é um título católico dado à Santíssima Virgem Maria. Representa a fuga da Sagrada Família para o Egito, por isso, também é conhecida como Nossa Senhora da Fuga. É muito venerada na Itália como a "Madonna degli Emigrati", sendo padroeira daqueles que foram obrigados a deixar sua pátria para se refugiarem ou a fim de procurar trabalho no estrangeiro.
A imagem de Nossa Senhora do Desterro é muito significativa.

A postura de Maria na imagem de Nossa do Desterro chama a atenção. A sagrada família está sendo desterrada, ou seja, está sendo exilada, está partindo em fuga para o Egito, uma terra distante, com pessoas, língua, religião e costumes muito diferentes. Mesmo assim, Maria se apresenta em paz, cheia de mansidão e humildade.

O manto azul de Nossa Senhora do Desterro simboliza a verdade e o céu. Verdade porque ela caminhava na verdade, dizendo sempre sim a Deus. O céu está simbolizado no azul porque, mesmo fugindo, mesmo sendo perseguida por um rei sanguinário, Maria e José estão com o menino Jesus, que é Deus, que é paz, que é o Sumo Bem. A túnica branca do Menino Jesus simboliza a pureza e a santidade deste Menino que é Deus, que é santo, que é o salvador. A postura do menino jesus também é de paz e serenidade, apesar da dificuldade que estão passando.

A imagem de São José na cena do desterro de Nossa Senhora tem muitos significados. É ele quem segura a rédea do jumento, ou seja, é ele que dirige e guia; é ele o guardião da Sagrada Família. O manto marrom de São José simboliza sua humildade. A humildade de José aparece mais quando ele se submete à vontade de Deus, acreditando nas revelações que recebera e obedecendo prontamente. A túnica amarela de São José na imagem de Nossa Senhora do Desterro simboliza a presença do divino nesta ocasião. O cajado de São José simboliza a direção dada por Deus e a firmeza, o apoio durante o caminho. O cajado era usado pelos viajantes como apoio e segurança.
O jumento na imagem de Nossa Senhora do Desterro simboliza a providência de Deus, que não deixou faltar nada à Sagrada Família e transportou Maria e o Menino Jesus. O jumento é também um animal dócil, manso e útil. Ele lembra-nos que aqueles que servem a Deus devem sempre agir com mansidão e bondade.